Como se comunicar com uma pessoa com Alzheimer

Na Casa de Repouso Viva Bem residem senhoras com Alzheimer. Desta forma, toda a nossa equipe tem uma atenção especial com as maneiras de nos comunicarmos com cada uma delas.

Para que a comunicação seja bem saudável, é importante o hábito de 4 comportamentos:

  1. Permanecer calmo e falar de maneira clara e gentil;
  2. Utilizar frases curtas e simples, focando em uma ideia de cada vez;
  3. Dar tempo à pessoa para compreender o que lhe transmitiu;
  4. Sempre que possível, utilize nomes orientadores, como por exemplo: “O seu filho José”;

Dicas para se comunicar com o idoso com Alzheimer

De um modo geral, quando nos relacionamos com a uma pessoa que sofre com a doença de Alzheimer, existem muitas orientações a seguir e que podem melhorar consideravelmente a comunicação.

A premiada autora de livros sobre Alzheimer, Marie Marley, que mantém um site sobre o assunto, escreveu sobre as melhores formas de se comunicar com as pessoas que tenham Alzheimer, confira!

Mantenha o bom humor: Para que eles mantenham seu humor mais estável e se sintam bem é melhor não contradizê-los ou corrigi-los. Não existe nenhuma razão suficientemente boa para fazer isso. Se eles estiverem em um momento mais lúcido, a correção pode causar um constrangimento desnecessário e, se não estiverem, eles também poderão se sentir mal, pois perceberão a confusão e o desentendimento, e também ficarão constrangidos ou nervosos;

Seja agradável: Nunca é uma boa ideia discutir com uma pessoa que sofre de demência. Primeiro de tudo, você não pode ganhar. E segundo, as duas pessoas ficarão irritadas, você e o doente. A melhor coisa a fazer é simplesmente mudar de assunto – de preferência para algo agradável que prenda imediatamente a sua atenção. Dessa forma, a pessoa provavelmente se esquecerá do desacordo, e o dia ficará mais leve para todos;

Seja específico: Ao falar com uma pessoa que tem a doença de Alzheimer, é tão tentador perguntar se elas se lembram de alguma pessoa ou evento. “Este é David. Lembra-se dele?”, “Você se lembra de que comemos doces a última vez que estive aqui?”. É claro que eles não se lembram. Caso contrário, eles não teriam o diagnóstico de demência. Isso pode constrangê-los ou frustrá-los. É melhor dizer: “Eu me lembro que comemos doces a última vez que estive aqui. Foi delicioso.” Ou seja, faça da sua pergunta um comentário;
Honestidade quando necessário: Não é incomum para as pessoas com demência acreditem que seu cônjuge falecido, pai ou outro ente querido ainda está vivo. Eles podem ficam confusos ou se sentirem mal, porque essas pessoas não vêm visitá-los. Se você informá-los que a pessoa está morta, eles podem não acreditar e ficarem muito nervosos e confusos. Além do mais, eles estão tão propensos a esquecer tão cedo o que você disse e voltar a acreditar que sua amada ainda está viva que todo o desgaste se torna um sofrimento desnecessário. Uma exceção a essa orientação é se eles perguntarem se a pessoa morreu. Nesse caso é aconselhável lhes dar uma resposta honesta, mesmo que eles se esqueçam depois;

Procure por assuntos leves: Não há nenhuma razão para trazer temas que você sabe que podem perturbar o seu ente querido. Por isso, não aborde temas que possam perturbá-los;

Casa de Repouso Viva Bem

Aqui na Casa de Repouso Viva Bem todas nós observamos esses procedimentos no dia a dia. Assim, temos uma convivência tranquila, agradável e salutar com cada senhorinha residente que tem Alzheimer.

A casa é sua. Venha nos conhecer.

Esperamos o seu contato por AQUI.

Até breve!

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp